A iminente realização da Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Pan-Amazônia tem suscitado posicionamentos diversos, com intervenções variadas de grupos e pessoas inclusive, para algumas, como se tratasse de um evento da sociedade civil. Vale a pena trazer a público recentes palavras esclarecedoras do Papa Francisco, durante o encontro realizado na Sala do Consistório do Palácio Apostólico com a Igreja Greco-Católica da Ucrânia: “Vós sublinhastes uma coisa que não devemos perder: Sínodo e Sinodalidade e o Espírito Santo. Existe um perigo de crer, hoje, que fazer um caminho sinodal ou ter uma atitude de sinodalidade quer dizer uma pesquisa de opinião: o que pensa este, aquele, e em seguida ter um encontro, pôr-se de acordo. Não, o Sínodo não é um Parlamento! Tem-se que dizer coisas, discuti-las, como se faz normalmente, porém não é um Parlamento. O Sínodo não é um acordo como na política, não se trata de realizar investigações sociológicas, como alguns creem. Com certeza é necessário saber o que pensam os leigos, porém, não é uma investigação, é outra coisa. Se o Espírito Santo não está presente, não há Sínodo. Se o Espírito Santo não está presente, não existe sinodalidade. Rezem ao Espírito. Discutam entre si o que queiram! Pensem no Concílio de Éfeso, como houve discussões! Mas eram boas. E no final foi o Espírito quem os levou a dizer: ‘Maria, Mãe de Deus’. Este é precisamente o caminho. É o Espírito. Porque nós não queremos ser uma Igreja Congregacionalista, mas uma Igreja Sinodal. E seguir adiante neste caminho”.

Ao nomear os Presidentes Delegados para o Sínodo, dentre os quais se encontra o Cardeal brasileiro João Brás de Aviz, observou o Santo Padre que “o objetivo principal desta convocação é identificar novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno, também por causa da crise da Floresta Amazônica, pulmão de capital importância para nosso planeta. Que os Santos intercedam por este evento eclesial para que, no respeito da beleza da Criação, todos os povos da terra louvem a Deus, Senhor do universo, e por Ele iluminados, percorram caminhos de justiça e de paz”.

O principal desafio que se abre no horizonte eclesial nos tempos que correm é a Evangelização. É impressionante a atualidade dos ensinamentos de Bento XVI, na Exortação Apostólica Verbum Domini (Cf. números 96 e 97), cujo conteúdo foi colocado em relevo recentemente pelo Presidente da CNBB, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, ao solicitar aos que serão padres sinodais uma renovada disposição para que a Palavra de Deus seja o centro de todo o esforço de nova Evangelização para a Amazônia. Recolhamos preciosos ensinamentos da citada Exortação: o Papa João Paulo II, na esteira de quanto já dissera o Papa Paulo VI na “Evangelii Nuntiandi”, tinha de muitos modos lembrado aos fiéis a necessidade de uma nova estação missionária para todo o Povo de Deus. Se existem muitos povos que ainda não conheceram a Boa Nova, há também muitos cristãos que têm necessidade que lhes seja anunciada novamente, de modo persuasivo, a Palavra de Deus, para poderem assim experimentar concretamente a força do Evangelho. Há muitos irmãos que são batizados, mas não suficientemente evangelizados. É frequente ver nações, outrora ricas de fé e de vocações, que vão perdendo a própria identidade, sob a influência de uma cultura secularizada. A exigência de uma nova evangelização deve ser reafirmada sem medo, na certeza da eficácia da Palavra divina. A Igreja, segura da fidelidade do seu Senhor, não se cansa de anunciar a boa nova do Evangelho e convida todos os cristãos a redescobrirem o fascínio de seguir Cristo.

Entendemos assim como o Espírito Santo nos inspirou, na Igreja de Belém, com a perspectiva da Missão como horizonte de toda a ação pastoral, luz que deve penetrar em todos os campos de atividade. Estamos no mês da Bíblia? É missão! Acontecem as peregrinações do Círio? É missão! Participaremos de mais um Círio de Nazaré? É missão! Nossos Bispos vão para o Sínodo? É missão!

É ainda Bento XVI, em sua Exortação Apostólica sobre a Palavra de Deus, que amplia a nossa visão, com os compromissos a serem assumidos: os horizontes imensos da missão da Igreja eclesial e a complexidade da situação presente requerem hoje modalidades renovadas para se poder comunicar eficazmente a Palavra de Deus. O Espírito Santo, agente primário de toda a evangelização, nunca deixará de guiar a Igreja de Cristo nesta atividade. Antes de mais nada, é importante que cada modalidade de anúncio tenha presente a relação entre comunicação da Palavra de Deus e testemunho cristão; disso depende a própria credibilidade do anúncio. Se é necessária a Palavra que comunique aquilo que o próprio Senhor nos disse, é indispensável dar, com o testemunho, credibilidade a esta Palavra, para que não apareça como uma bela filosofia ou utopia, mas antes como uma realidade que se pode viver e que faz viver. A reciprocidade entre Palavra e testemunho recorda o como o próprio Deus se comunicou por meio da encarnação do seu Verbo. A Palavra de Deus alcança os homens através do encontro com testemunhas que a tornam presente e viva. Particularmente as novas gerações têm necessidade de ser introduzidas na Palavra de Deus através do encontro e do testemunho autêntico do adulto, da influência positiva dos amigos e da grande companhia que é a comunidade eclesial.

Mas a nossa responsabilidade não se limita a sugerir ao mundo valores que compartilhamos. É preciso chegar ao anúncio explícito da Palavra de Deus. Só assim seremos fiéis ao mandato de Cristo. A Boa Nova proclamada pelo testemunho de vida deverá, mais cedo ou mais tarde, ser anunciada pela palavra de vida. Não há verdadeira evangelização, se o nome, a doutrina, a vida, as promessas, o Reino, o mistério de Jesus de Nazaré, Filho de Deus, não forem proclamados.

Os padres sinodais hão de levar a esta magnífica Assembleia de Bispos o grito pela Evangelização explícita, aquilo que é nosso direito e nosso dever, clamor pela Palavra de Deus, Palavra de Vida Eterna, para nossos povos e nações amazônicas. Rezemos nesta intenção!

Presidente da Fundação Nazaré de Comunicação, também é apresentador de programas na TV e Rádio e articulista de diversos meios impressos e on-line, autor da publicação anual do Retiro Popular.

Enquanto Padre exerceu seu ministério na Arquidiocese de Belo Horizonte – MG: Reitor do Seminário, Professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Pároco em várias Paróquias, Vigário Forâneo, Vigário Episcopal para a Pastoral e Capelão de Hospital.

Foi Bispo Auxiliar de Brasília, membro da Comissão Episcopal de Vocações e Ministérios do Conselho Episcopal Latino – Americano – CELAM. Tomou posse como primeiro Arcebispo Metropolitano de Palmas – TO. Atualmente o 10º Arcebispo Metropolitano de Belém.

Dom Alberto Taveira Corrêa

Arcebispo Metropolitano de Belém