Para reavivar a consciência batismal do Povo de Deus em relação à missão da Igreja, o Papa Francisco escolheu este mês de outubro como o “Mês Missionário extraordinário”, com o tema “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em Missão no Mundo”. Todos sabemos que o mês de outubro é tradicionalmente dedicado às Missões, e nele comemoramos a Padroeira das Missões, Santa Teresinha do Menino Jesus, que, sem sair do Carmelo, tornou-se referência missionária, ao lado de outro padroeiro das Missões, São Francisco Xavier, que desbravou as terras do Oriente para levar a Boa Nova do Evangelho.

Na Arquidiocese de Belém, pelo fato do grande evento missionário que é o Círio de Nazaré tomar conta de nosso coração e de nossas atividades, movidos que somos pela fé em Cristo e protegidos pelo manto de Nossa Senhora de Nazaré, nós nos antecipamos e decidimos realizar, de março a agosto, e o fizemos com grandes frutos, as Visitas Pastorais Missionárias, com a presença dos Bispos, Sacerdotes, Religiosos e Religiosas, Pessoas Consagradas a Deus e um significativo número de leigos que se prepararam para a Missão. Relevo especial merecem as visitas familiares, de porta em porta, feitas com dedicação e afeto, nas sete Visitas Pastorais Missionárias. E durante o ano inteiro, nossos padres e diáconos, nas Paróquias, animam missionariamente a vida da Igreja.

Além disso, todas as nossas atenções se voltam, durante este mês, para a Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos sobre a Pan-Amazônia, na qual procuramos novos caminhos para a Evangelização e a Missão da Igreja nesta região, além de buscar luzes para contribuir em vista de uma Ecologia integral, grande e urgente desafio em nosso tempo.

Quando fomos batizados, tornamo-nos templos do Espírito Santo, habitação da Trindade. Renascidos na fonte batismal, fomos marcados para três tarefas importantes e preciosas. Fomos feitos sacerdotes, daquele sacerdócio real que é base e fundamento para nossa ação de cristãos. Com ele, toda a nossa presença, de todos e cada um dos homens e mulheres batizados, santifica o mundo e a vida. Somos marcados e abençoamos tudo o que fazemos, pelo fato de ser batizados. E toda a nossa vida encontra seu centro no mistério de Cristo Morto e Ressuscitado, aquele que tornamos presente e nos sustenta em cada Eucaristia participada. Depois, o Batismo nos deu a força para sermos profetas de Cristo, a fim de que nossa boca e nossas palavras sejam sirvam à verdade do Evangelho, já que profeta é a pessoa que põe à disposição de Deus sua capacidade de se comunicar com a palavra. E a terceira tarefa, os batizados são marcados com a paixão pelo Reino de Deus. Cristo é Rei e Pastor, e todos os cristãos o são, cada um em seu estado de vida, mas todos responsáveis pelo crescimento do Reino de Deus. Do seu jeito, cada um poderá “pastorear em nome de Cristo”.

Após o Batismo e a ele unidos, recebemos os outros dois Sacramentos da Iniciação Cristã, a Crisma, para sermos enviados como apóstolos, soldados e missionários de Cristo, e a Eucaristia, ponto mais alto e fonte de toda a vida cristã.

Podemos reunir todas estas realidades para tomarmos consciência de sermos chamados como discípulos missionários de Jesus Cristo. Onde quer que estejamos, ali deve chegar a Igreja, com nossa palavra, nossa presença e nossa oração, feitos testemunhas de Cristo e de seu Reino, para o crescimento da Igreja e a transformação do mundo. Consequência é que todos os cristãos, homens e mulheres, tornam-se presenças transformadoras em toda parte. Levando a sério nossa missão, cabe-nos transformar nossas famílias, espaço sagrado, em Igreja Doméstica. O trabalho, cada qual na sua profissão, tornar-se-á campo de apostolado, com a retidão das intenções e das ações. A participação na sociedade civil, nos Movimentos Sociais, Associações de Bairro, Associações de Classe, na Política, nos Clubes, onde quer que esteja um cristão, será sua missão “fazer a diferença” para melhor! Nasce aqui um apelo a um corajoso exame de consciência!

E que dizer da participação na Igreja em nossas Paróquias, assumindo responsabilidades de evangelização e de implantação de comunidades e estruturas, contribuindo para que a Igreja de Cristo se estenda e cresça, e o Reino de Deus se espalhe? É de nosso conhecimento, para falar de nossa Igreja de Belém, a implantação de novas e desafiadoras áreas missionárias, a construção de Igrejas e Capelas, Centros Catequéticos e Centros Comunitários. Edifica-nos o envolvimento de jovens e adultos, com a corajosa resposta dada aos apelos da Arquidiocese! E os Movimentos Eclesiais, quão significativa a sua presença!

Faz parte da missão o trabalho preventivo com crianças, adolescentes e jovens como o processo de implantação dos Oratórios Paroquiais e o crescimento da Pastoral Juvenil em todas as suas expressões. É missão a fecunda Pastoral das Ilhas. É missão a presença da Cáritas Arquidiocesana e seus núcleos paroquiais, as pastorais beneméritas da Criança e da Pessoa Idosa. É missão todo o conjunto de obras sociais existentes, e vale a pena ressaltar a Fazenda da Esperança e a Missão Belém. E será que todos tomamos consciência da importância das várias creches paroquiais, nas quais as crianças recebem o acolhimento e a formação adequada?

Em tempos de Círio, uma de nossas mais expressivas missões, temos a Diretoria do Círio, que trabalha o ano inteiro por este evento que é nosso, religioso em si mesmo, além da infinidade de pessoas que por ele trabalham e com ele se envolvem! E uma das realidades mais bonitas, autenticamente belenense e que se espalhou por tantos outros lugares, nossas guardas paroquiais e comunitárias. A inspiração foi dada há muitos anos ao grande Barnabita Padre Giovanni Incampo. Certamente nem ele poderia imaginar o crescimento de tal iniciativa!

Enfim, só podemos concluir, na Jornada Missionária Mundial, quando somos chamados também a dar nossa contribuição material para as Missões na coleta de todas as Missas e outras Celebrações, junto com a oração pelas Missões, cada pessoa acrescente à lista, certamente incompleta, de todos os lugares e possibilidades de atuação missionária, pois há lugar para todos, batizados e enviados em missão ao mundo!

Presidente da Fundação Nazaré de Comunicação, também é apresentador de programas na TV e Rádio e articulista de diversos meios impressos e on-line, autor da publicação anual do Retiro Popular.

Enquanto Padre exerceu seu ministério na Arquidiocese de Belo Horizonte – MG: Reitor do Seminário, Professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Pároco em várias Paróquias, Vigário Forâneo, Vigário Episcopal para a Pastoral e Capelão de Hospital.

Foi Bispo Auxiliar de Brasília, membro da Comissão Episcopal de Vocações e Ministérios do Conselho Episcopal Latino – Americano – CELAM. Tomou posse como primeiro Arcebispo Metropolitano de Palmas – TO. Atualmente o 10º Arcebispo Metropolitano de Belém.

Dom Alberto Taveira Corrêa

Arcebispo Metropolitano de Belém